Uber x trabalhadores: chance de ouro para um recomeço

0
151

A Uber está tomando medidas para fazer com que seus funcionários e clientes saibam que pretende enfrentar erros do passado. O interesse em rever os seus preconceitos tem a ver com o caso que envolveu uma engenheira de software ex-integrante da sua equipe de desenvolvimento, Susan Rigetti.

A engenheira relata ter sofrido assédio sexual durante o período que trabalhou para a empresa. Quando o assunto veio à tona, o departamento de RH da Uber ignorou o caso, beneficiando o suposto transgressor.

Mas, agora, após o assunto ganhar manchete, a Uber voltou atrás, anunciando o interesse em apurar os fatos. Para liderar a investigação, e dar para a imprensa um sinal claro de que se importa com o ocorrido e está tomando providências, contratou uma figura importante, o ex-procurador geral dos Estados Unidos, Eric Holder.

O CEO e cofundador da Uber, Travis Kalanick, aproveitou o anúncio para pedir desculpas aos funcionários por não responder adequadamente às suas queixas e pela forma equivocada como a empresa tem tratado até então assuntos envolvendo diversidade.

A atitude da Uber é um bom começo. Mas alguns acreditam que a empresa poderia ir além, permitindo que seus funcionários se juntem em ações coletivas para se defender, no mínimo, em casos de discriminação por raça, gênero, cor, origem e religião. Atualmente, nos EUA, por meio de manobras legais, ações coletivas apresentadas por empregados em tribunais costumam ser dificultadas pelos patrões. A Uber é conhecida pelo uso de táticas, inclusive contra motoristas pertencentes à sua frota virtual, que permitem transformar questões coletivas em processos que devem ser tratados caso a caso.

E a Uber não é a única. Advogados trabalhistas dizem que em torno de 80% das empresas de tecnologia norte-americanas utilizam procedimentos que impedem a união de trabalhadores em processos judiciais. Por que a Uber deixaria de adotar práticas intimidadoras? Para dar um sinal inequívoco que se preocupa de fato com os direitos civis de seus funcionários. Seria a chance de ouro, também, para reconstruir a sua imagem já um tanto desgastada, passando a ser reconhecida como pioneira, no mercado de tecnologia, quando o assunto diz respeito à criação de ambiente de trabalho ético, plural e responsável.

Fonte: Connie Loizos

- Publicidade -
Innovation Hunter
COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.