Software e serviços de TI: receita bruta e média de empresas brasileiras

0
241

Segundo estimativa da TIC em Foco, em 2015, a receita bruta das empresas com atividade principal em software e serviços de TI girou em torno de R$ 110 bilhões.  Dessa receita, cerca de R$ 94 bilhões, ou seja, 85,5% do total, foram gerados por empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas, um pequeno grupo de elite constituído por cerca de 3 mil empresas, com atuação diversificada. Entre as atividades, o desenvolvimento e licenciamento de software customizável ou não customizável respondeu por 28,6% do número total de empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas e por R$ 35,1% do total arrecadado por este conjunto (Figura 1).

Figura 1 – Distribuição do número de empresas de software e serviços de TI com 20 ou mais pessoas ocupadas e da receita gerada por este grupo de empresas, considerando atividades – Brasil, 2015

Sw e serviços TI receita bruta e média
Fonte: Estimativas da TIC em Foco, a partir de dados da PAS/IBGE, anos diversos.

Na Figura 2, para o período 2007 a 2014, apresenta-se a receita bruta total de empresas brasileiras de software e serviços de TI e os montantes gerados por empresas com 20 ou mais e com 19 ou menos pessoas ocupadas. Observa-se que a forte concentração da receita nas mãos de um conjunto pequeno de empresas é uma realidade do setor que não tem se alterado ao longo dos anos.

Figura 2 – Receita bruta das empresas com atividade principal em software e serviços de TI, considerando porte (número de pessoas ocupadas) – Brasil, período 2007 a 2014

Em milhões de R$, valores deflacionados pelo IGP-DI, ano-base 2015

Sw e serviços TI receita bruta e média
Fonte: TIC em Foco, a partir de dados da PAS/IBGE, anos diversos.

Em tempos recentes, cresce relativamente mais a receita bruta gerada por empresas pertencentes ao grupo de elite

No período 2007 a 2014, a receita bruta das empresas de software e serviços de TI cresceu, em média, em termos reais, 7,3% ao ano.  O aumento da receita foi maior no conjunto constituído por empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas do que naquele formado por empresas com até 19 ou menos pessoas ocupadas: média de 7,6% e 5,9% ao ano, respectivamente.  Se considerados exclusivamente os dois últimos anos da série (2013 e 2014), as diferenças nas taxas de crescimento da receita são bem mais expressivas. Para o conjunto de empresas com até 19 pessoas ocupadas, o crescimento foi negativo no período (média de -7,2% ao ano), apesar do aumento observado no número de empresas deste porte. Ou seja, em tempos recentes, aumentou o número de micro e pequenas empresas, mas diminuiu a capacidade de, na média, cada uma delas gerar receita.

Para o grupo de elite, nos anos recentes do período sob análise, a receita cresceu em média expressivos 8,0% ao ano. Isto ocorre em um cenário de desaceleração das taxas de crescimento do número de empresas participantes do grupo, uma evidência de que os ganhos maiores de receita fizeram-se acompanhar por um processo de consolidação. Isto é, houve uma tendência para diminuição do crescimento do grupo de elite, com as empresas deste grupo mostrando-se aptas a ampliar a sua capacidade para obter riqueza.

As taxas significativas de aumento da receita das empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas observadas nos anos de 2013 e 2014 não foram privilégio de todas as atividades em software e serviços de TI, como pode ser verificado na Tabela 1. Em algumas atividades, parece ter sido mais difícil manter ou superar os patamares de crescimento observados em períodos anteriores.

No grupo com 20 ou mais pessoas ocupadas, as maiores taxas de crescimento da receita no período 2007 a 2014 ocorreram nas atividades de Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na Internet (média de 29,2% ao ano) e Suporte técnico, manutenção e outros serviços de TI (10,7% ao ano). Essas atividades também tiveram um crescimento razoável em anos recentes (2013 e 2014), mas com médias inferiores às verificadas no período mais longo.  As menores médias de crescimento da receita, tanto no período mais longo como em anos recentes, foram encontradas na atividade de ‘Desenvolvimento e licenciamento de software customizável e não customizável` (5,7% e 4,5%). Com médias anuais de 13,5% e 11,1%, coube às atividades de Consultoria em TI e Tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e de hospedagem na Internet, respectivamente, garantirem a aceleração do crescimento da receita do grupo de elite nos anos finais da série sob análise.

Tabela 1 – Taxa média de crescimento real da receita bruta das empresas de software e serviços de TI com 20 ou mais pessoas ocupadas, considerando atividades – Brasil, período 2007 a 2014 e período 2013 a 2014

Sw e serviços TI receita bruta e média
Crescimento real considerando IGP-DI. Fonte: TIC em Foco, a partir de dados da PAS/IBGE, anos diversos.

Recomposição da receita no grupo de elite

Ao longo do período 2007 a 2014, observa-se um rearranjo da receita no grupo de elite, com aumento da participação de empresas direcionadas para atividades de suporte técnico e serviços de informação na Internet no montante total. A redução da participação das empresas de desenvolvimento e licenciamento de software na receita do grupo não é recente. Acontece desde 2009, após atingir, em 2008, o maior percentual da série: 40,3% da receita total de empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas (Figura 3).

Figura 3 – Distribuição da receita bruta das empresas de software e serviços de TI com 20 ou mais pessoas ocupadas, considerando atividades – Brasil, período 2007 a 2014

Sw e serviços TI receita bruta e média
Foco, a partir de dados da PAS/IBGE, anos diversos.

Receita média por empresa

Em 2015, a receita média por empresa de software e serviços de TI foi de R$ 1,5 milhão, com variações segundo o porte: R$ 31,1 milhões para o grupo de elite e R$ 225 mil, para o conjunto constituído por empresas com 19 ou menos pessoas ocupadas. A receita média também varia conforme a atividade. Algumas atividades agregam mais valor que outras, levando a receitas médias por empresa superiores.

Na Tabela 2, apresentam-se informações sobre a receita média por empresa participante do grupo de elite, por atividade, para o ano de 2015.  No ano em questão, o subconjunto de empresas com atividade principal em Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na Internet foi o que obteve o maior valor em receita por empresa: R$ 47,6 milhões, mais que o dobro da média por empresa encontrada para a atividade de Suporte técnico, provedores de serviços de aplicação e de hospedagem na Internet (R$ 18,5 milhões).

Tabela 2 – Receita bruta média por empresa de software e serviços de TI com 20 ou mais pessoas ocupadas, considerando atividades – Brasil, estimativa 2015

Sw e serviços TI receita bruta e média
Fonte: TIC em Foco, a partir de dados da PAS/IBGE, anos diversos.

Ao longo do período 2007 a 2014, a receita média por empresa com 20 ou mais pessoas ocupadas de algumas atividades apresentou crescimento em termos reais. Neste caso, encontram-se especialmente os serviços relacionados com a Internet, incluídos nas classes Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na Internet e Tratamento de dados, provedores de aplicação e de hospedagem na Internet (Figura 4).

Figura 4 – Receita bruta média por empresa de empresas de software e serviços de TI com 20 ou mais pessoas ocupadas, considerando atividades – Brasil, período 2007 a 2014

Sw e serviços TI receita bruta e média
Fonte: TIC em Foco, a partir de dados da PAS/IBGE, anos diversos.

Notas metodológicas:

Pessoas ocupadas: incluem sócios, sócios cooperados, assalariados e, eventualmente, membros da família sem remuneração.

Receita bruta média por empresa: Receita bruta / número de pessoas ocupadas.

Setor de software e serviços de TI: o setor de software e serviços de TI é formado por empresas com atividade principal, ou seja, fonte principal de receita, em uma das seguintes classes CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) da versão 2.0: 6201 – Desenvolvimento de software sob encomenda; 6202 – Desenvolvimento e licenciamento de software customizável; 6203 – Desenvolvimento e licenciamento de software não customizável; 6204 – Consultoria em TI; 6209 – Suporte técnico, manutenção e outros serviços de TI; 6311 – Tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e de hospedagem na Internet; 6319 – Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na Internet.

- Publicidade -
Innovation Hunter
COMPARTILHAR
Virgínia Duarte
Socióloga e cientista política, com especialização em gestão empresarial. Foi responsável pela área de Inteligência da Softex. Responsável técnica e coautora de várias publicações sobre o setor de TIC. É sócia-diretora da TIC em Foco Estudos e Projetos e editora do site/blog TIC em Foco.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.